Nível de emprego na construção civil recua

Nível de emprego na construção civil recua

Data de publicação: 16/01/2015

O nível de emprego na construção caiu em todos os estados do país em novembro. Na comparação com o mês anterior, o índice recuou 1,57%, com saldo entre demissões e contratações negativo em cerca de 54,9 mil trabalhadores. Segundo pesquisa do Sindicato da Indústria da Construção Civil do Estado de São Paulo (Sinduscon-SP), em parceria com a Fundação Getúlio Vargas (FGV), ao final de novembro, o número de trabalhadores do setor somava 3,434 milhões.

 

O vice-presidente de Economia do Sinduscon-SP, Eduardo Zaidan, comenta que o resultado já era esperado. De acordo com ele, novembro é um mês em que, tradicionalmente, o número de demissões é maior que o de contratações, em função do término de obras. "O que deve ter voltado a acontecer em dezembro", afirma.

 

Na comparação com o mesmo mês do ano anterior, no entanto, a pesquisa também indica queda de 2,94%, com saldo negativo de 103,8 mil vagas. No acumulado de 2014, o índice apresenta queda de 0,14% em relação ao mesmo período do ano anterior. Até novembro, o saldo líqüido de contratações está negativo em 14,8 mil vagas. No mesmo período de 2013, o setor registrava um saldo positivo de 141 mil vagas.

 

As ofertas em novembro diminuíram em todas as regiões. No Sudeste, foram 23.853 postos de trabalhos a menos, com recuo de 1,39%. A taxa mais expressiva foi registrada no Norte com queda de 3,53% e a eliminação de 8.212 postos de trabalho.

 

No Nordeste, embora a variação tenha sido um pouco mais branda (-1,16%), o número de vagas suprimidas alcançou 8.638. Já no Sul do país, o recuo foi 0,66% com saldo de 3.337 demissões. No Centro-Oeste, queda de 1,57% e corte de 54.964 empregos.

 

 Publicado no Diário do Comércio