Poupança ou Tesouro Direto?

Poupança ou Tesouro Direto?

Data de publicação: 20/01/2015

Nessa modalidade [Tesouro Nacional], o investidor realiza uma espécie de empréstimo para o governo e, caso aguarde o período contratado, receberá o valor estipulado no momento da compra.

 

Professor da Escola de Administração de Empresas de São Paulo da Fundação Getulio Vargas (FGV/Eaesp), Samy Dana comenta em coluna publicada na Folha de S. Paulo que, assim como a poupança, a aplicação em papéis do Tesouro Nacional também é um instrumento bastante conservador. Nessa modalidade, o investidor realiza uma espécie de empréstimo para o governo e, caso aguarde o período contratado, receberá o valor estipulado no momento da compra.

 

Se considerar o prazo de cinco anos como horizonte de investimentos, diferentemente da poupança, o Tesouro garante a manutenção do poder de compra do investidor, pois remunera sempre acima da inflação, neste caso, em 5,99% anuais.

 

E mesmo com os custos envolvidos na ferramenta esse tipo de investimento se mostra bem mais vantajoso que a poupança.

 

Para mais informações e para ler a matéria na íntegra, clique aqui.