Por um país de empreendedores

Por um país de empreendedores

Data de publicação: 27/03/2015

Empreender é parte central dos processos de desenvolvimento. Sem inovação, não há progresso possível

 

O empreendedorismo não é um tema novo no pensamento econômico. Apesar de parecer moderno, discutir a importância de motivar a inventividade, a capacidade de inovação e a criação de novos negócios, o tema do empreendedorismo já era tratado por Schumpeter na primeira metade do século passado.

 

Empreender é parte central dos processos de desenvolvimento. Sem inovação, não há progresso possível. A condição primeira ao florescimento do empreendedorismo é a construção de uma nova visão de Estado, mais afeita e menos arredia ao mercado. O crescimento econômico, objetivo tão almejado por todas as nações, é uma espécie de termômetro para o bem-estar social. Quanto maior o crescimento, mais dinâmica a economia, mais pujante a geração de empregos e maiores as possibilidades de avanço dos salários e lucros.

 

O crescimento depende de investimentos em máquinas e equipamentos, mas também da quantidade de trabalho incorporada pelas empresas. Além disso, quanto mais eficientes as máquinas e equipamentos utilizados e produtivos os trabalhadores, maiores serão as chances de aumentar a produção de maneira vigorosa e, com isso, de criar condições para o aumento dos salários, do emprego e de novos investimentos. É um processo circular? Sim, mas como ampliar a dimensão dessa "roda"? Como ir além?

 

A resposta está na inovação. É a incorporação de novas técnicas de produção, a invenção de novos produtos, a conquista de novos mercados, a capacidade, enfim, de empreender e tomar riscos o único caminho para fazer a roda crescer sem parar de girar.

 

Joseph Schumpeter foi um dos grandes teóricos do desenvolvimento econômico (1883-1950) a definir claramente o papel do empreendedor nos processos de crescimento. Em importante trabalho publicado por Ana Cristina Braga Martes, em 2010 , aprendemos que, na visão de Schumpeter: "o empreendedor é aquele que realiza novas combinações dos meios produtivos, capazes de propiciar desenvolvimento econômico, quais sejam: 1) ''introdução de um novo bem''; ''introdução de um novo método de produção'' 3) ''abertura de um novo mercado'' 6) ''conquista de uma nova fonte de oferta de matérias-primas ou bens semimanufaturados''; 7) ''constituição ou fragmentação de posição de monopólio''". É nesse sentido que os países devem buscar adotar políticas econômicas voltadas ao estímulo à inovação e ao empreendedorismo. O Estado é fundamental neste processo. É ele quem tem o papel de criar regras, leis e instituições, de maneira mais geral, capazes de estimular a conduta empreendedora.


No Brasil, temos alimentado uma visão errada sobre o mercado. O Estado se afastou do mercado, quando deveria se aproximar, estimular suas atividades e criar condições para o florescimento das iniciativas pretendidas pelos empreendedores brasileiros. Um ambiente favorável à inovação é aquele em que as expectativas dos agentes econômicos - consumidores e produtores - apontem para a preservação da estabilidade monetária combinada à perspectiva de crescimento econômico. Hoje, o País vive um quadro de instabilidade, de inflação superior ao teto da meta estabelecida pelo Conselho Monetário Nacional e de economia em recessão.

 

A recuperação da credibilidade perdida na gestão da política econômica e a adoção de uma visão pró-mercado, em que o Estado volte a liderar políticas verdadeiramente pró-desenvolvimento, constituem um binômio essencial à retomada do desenvolvimento. A partir do momento em que o Estado se capacitar para estimular a conduta inovadora e tomadora de riscos, haverá uma chance de nos tornarmos, efetivamente, um país de empreendedores.

 

Felipe Salto é assessor econômico do senador José Serra, especialista em contas públicas e professor dos cursos lato sensu da FGV/EESP.

 

Publicada na ISTOÉ Dinheiro